Por que alfabetizar com Paulo Freire?

O professor Moacir Gadotti, que foi aluno de Paulo Freire, responde a esta pergunta. Confira!

o

Live especial curso 2

 

     Aluno e parceiro do mestre Paulo Freire, o professor Moacir Gadotti – um dos docente do Curso ‘Como alfabetizar com Paulo Freire’, que tem início no próximo dia 5 de abril, pela EaD Freiriana do Instituto Paulo Freire (http://eadfreiriana.org/curso-cacpf-2021) –, responde à pergunta: Por que alfabetizar com Paulo Freire? Confira!


POR QUE ALFABETIZAR COM PAULO FREIRE?

 

Em 1993, dia 28 de agosto, acompanhei Paulo Freire a Angicos (RN), trinta anos depois de ele realizar a experiência que o notabilizou no mundo. Ele dizia que aquela era uma viagem sentimental. Paulo estava muito debilitado naquele ano e ele estava muito emocionado ao reencontrar sonhos, pessoas, lugares de um grande projeto que marcou sua vida.

 

Agora, em 2021, me pedem para responder à pergunta: Por que alfabetizar com Paulo Freire?

 

A primeira coisa que veio à mente foi justamente aquele reencontro de Paulo Freire com seus ex-alunos, alfabetizandos. Encontrei a resposta à pergunta que me foi feita na emoção de um amigo, Paulo Freire, que testemunhei naquele dia.

 

Alguns ex-alunos perguntaram por que Paulo Freire foi preso e por que a experiência não continuou. Ele explicou que aquele processo de democratização do país havia sido interrompido por um golpe civil-militar em que muitos, como ele, haviam perdido sua liberdade, que teve que partir para o exílio e não pode dar continuidade a seu programa de alfabetização.

 

A primeira turma da experiência de Angicos concluiu o curso no dia 2 de abril de 1963 com a cerimônia de entrega de certificados aos que haviam se alfabetizado, com a presença do presidente da República João Goulart. No discurso que Paulo Freire fez, enfatizou os princípios científicos e filosóficos do seu método, propondo uma educação que “conscientize o povo brasileiro” e supere a compreensão "predominantemente mágica”, por uma “visão crítica do saber”, enfatizando que a sua metodologia impulsionava os alfabetizandos a serem “sujeitos da sua própria história”.

 

A resposta à pergunta que me foi feita hoje, foi dada por Paulo Freire nessa sua fala. A resposta dele seria: fazer com que os alfabetizandos digam a sua palavra e se tornem sujeitos da sua própria história.

 

Essa foi a resposta de Paulo Freire justificando a sua "metodologia".

 

Hoje, o Instituto Paulo Feire está oferecendo um curso com o título Como alfabetizar com Paulo Freire e nós podemos dar uma resposta complementar à resposta de Paulo Freire: estamos oferecendo esse curso porque, com isso, estamos retomando também o sonho interrompido de Paulo Freire.

 

Angicos não pode ser lembrado como algo do passado, mas como uma referência histórica para pensarmos a alfabetização e a educação de hoje e do futuro. E não se trata de repetir o que ele fez.

 

Trata-se de reinventar hoje, em outro contexto, o que ele fez, com ele, ao lado dele, isto é, com o seu referencial. Trata-se de retomar o sonho interrompido de Paulo Freire.

 

Esse é o propósito maior deste curso Como Alfabetizar com Paulo Freire.

 

No ano do seu centenário, precisamos resgatar os fundamentos do seu modo "dodiscente" de ensinar e aprender, que vai muito além de um simples método, que resgate a sua concepção da educação como uma educação ligada à cultura, à vida, à saúde, ao emprego, ao trabalho etc. Uma educação como parte de um projeto político-pedagógico mais amplo.

 

Esse parece ser o melhor caminho a seguir nesse momento de perplexidade que estamos vivendo. Continuar caminhando, com ele, acreditando no sonho. (Moacir Gadotti). 24/03/2021

 

Curso ‘Como alfabetizar com Paulo Freire’ – Edição 2021

Início: 5 de abril

100% online, com 16 videoaulas e certificação de até 45 horas.

Inscreva-se. Ainda dá tempo! http://eadfreiriana.org/curso-cacpf-2021

 
 #InstitutoPauloFreire #IPF30anos #EaDFreiriana #iPFTv #PauloFreire #PauloFreireSim #PauloFreireSempre #PauloFreireVive #PauloFreirePresente #PauloFreire100anos #CentenárioPauloFreire #PatronodaEducaçãoBrasileira #Educação #DireitosHumanos