Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos

Paulo Freire (in memorian), Patrono da Educação Brasileira, será um dos homenageados da 11ª edição do prêmio.

0

60200591 2284580831766672 6296910483911868416 n

0

 

     Para celebrar os 11 anos de existência do prêmio e os 62 anos que Austregésilo Carrano Bueno completaria no dia 15 de maio, a entrega do 11º Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos será realizada no dia 22 de maio, no Teatro de Contêiner Mungunzá, e terá Paulo Freire, como um dos homenageados.

 

     O evento integra a semana do Dia Nacional da Luta Antimanicomial (18/05). Os(AS) demais homenageados(as) deste ano são Carmen Lopes, Cida Almeida, Coletivo Arouchianos, Instituto Camará Calunga, Lisiane Cristina Braecher, O Autor na Praça (pelos 20 anos do projeto), entre outros(as).

 

     Haverá um tributo especial a poeta negra Tula Pillar “Carolina” Ferreira (in memorian), mulher guerreira, militante de várias lutas e integrante do #ColetivoGatoSeco. Além da entrega do prêmio, nos intervalos acontecerão intervenções musicais e leituras, com participação de artistas e poetas convidados. A apresentação fica por conta do palhaço e músico Clerouak. A concepção e execução dos troféus são do artista plástico Julio Dojcsar. Mais informações: www.facebook.com/premiocarrano. 

 

 

Histórico do Prêmio

 

     18 de maio é o dia Nacional da Luta Antimanicomial e no dia 27 de maio completam-se onze anos que um dos maiores militantes desta Luta nos deixou, em 2008: Austregésilo Carrano Bueno, dramaturgo e escritor, que se empenhou até o fim de sua vida pelo fim dos manicômios no Brasil. Foi homenageado pelo presidente Lula, pelo envolvimento na Reforma Psiquiátrica.

 

     Carrano sofreu vários processos judiciais por sua militância denunciando os “tratamentos” recebidos nos manicômios onde esteve internado. Após o confinamento escreveu o seu drama no livro “Canto dos Malditos” que originou o filme “Bicho de sete cabeças”, de 2001, de Lais Bodanzky, o filme mais premiado do cinema brasileiro.

 

     Carrano nunca desistiu de seus ideais e sonhos por uma sociedade mais humana, por uma sociedade sem manicômios de qualquer ordem! Morreu condenado a pagar 60 mil reais para os médicos do qual foi “cobaia humana”, em suas palavras.

 

     Algumas pessoas que já receberam o Prêmio Carrano: Antônio Lancetti; Ariel de Castro Alves; Casa Rodante; Centro Santo Dias de Direitos Humanos; Daniela Arbex; Dom Paulo Evaristo Arns; Eduardo Suplicy; Érica Malunguinho (Aparelha Luzia); Geraldo Peixoto; Grupo Tortura Nunca Mais; Guilherme Boulos; Índio Badarós; Laís Bodanzky; Leci Brandão;  Luiza Erundina; Maria Amélia Teles “Amélinha”; Maria Rita Khel;  Padre Julio Lancellotti; Paul Singer (in memorian); Paulo Amarante; SOF – Sempreviva Organização Feminista; Sonia Rainho; Tia Dag (Casa do Zezinho); UNEAFRO; Xico Sá e Z’África Brasil.

 

11º Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos

Data: Dia 22 de maio de 2019, quarta-feira, a partir das 18h30 – Entrada Franca

Endereço: Teatro Contêiner Munguzá de Teatro – Rua dos Gusmões, 43 - Santa Ifigenia

Realização: Coletivo Gato Seco – Nos telhados da Loucura.

Informações: Edson Lima – 11 95359 9913.

Apoios: Casadalapa, O Autor na Praça, AEUSP – Associação dos Educadores da USP, Max Design, Forum Paulista de Luta Antimanicomial e entidades ligadas a Luta.

 


#PauloFreireSempre #PauloFreire #PatronodaEducaçãoBrasileira #InstitutoPauloFreire