Um ato de esperança e de amor a este País

Confira nota do Coletivo-IPF divulgada no dia 15 de outubro. 

o

download.jpg

o

 

 

     A campanha eleitoral de 2018 caminha para a sua reta final num crescendo de ataques e fake news em que não escapam nem educadores humanistas como Paulo Freire. Querem atingir Haddad e Manuela atacando Freire. Um dos mais importantes educadores do século 20, de todo o mundo.


     O que há de comum entre eles?


   Poderíamos destacar diversas ideias, mas chamamos particularmente a atenção para a primeira ideia-força do Plano de Governo de Haddad: "Promover a soberania nacional e popular na refundação democrática do Brasil". Esta soberania refere-se tanto ao Brasil quanto aos brasileiros. Paulo Freire sempre defendeu o Estado democrático de direito, que hoje está sendo destruído.


     Como podemos atuar a favor da soberania do povo brasileiro?


     Encontramos uma resposta possível na Pedagogia do oprimido de Paulo Freire, que, neste ano de 2018, completa 50 anos. 

    Quando Paulo Freire leu o prefácio que Ernani Maria Fiori fez ao livro, com o título "Aprenda a dizer a sua palavra", ele disse que essa frase sintetizava a essência da pedagogia do oprimido. Para o oprimido tirar de dentro de si o opressor - o hospedeiro - deveria "dizer a sua palavra" e não repetir, servilmente, a palavra do outro. Assim, ele poderia ser sujeito da sua própria história. 


    Nada mais atual do que isso, quando nos deparamos com a dificuldade de diálogo entre as pessoas, quando se tenta, de todas as maneiras, enganar, distorcer a verdade, sem reflexão crítica, sem argumentação. Dizer a sua palavra é emancipar-se, e, emancipar-se, literalmente, significa dizer ao opressor: "tire as mãos de cima de mim". Significa nomear a realidade com as nossas próprias palavras.


    E Paulo Freire termina o livro dizendo que "se nada ficar destas páginas, algo, pelo menos, esperamos que permaneça: nossa confiança no povo. Nossa fé nos homens e na criação de um mundo em que seja menos difícil amar".


    Neste parágrafo final, Paulo Freire reforça sua "confiança no povo". Ele escreveu isso na primavera de 1968. 50 anos depois, numa nova primavera, reafirmamos, com Freire, nossa fé "na criação de um mundo em que seja menos difícil amar". 


    A candidatura de Haddad e Manuela é um ato de esperança e de amor a este país. Parafraseando Freire, reafirmamos "nossa confiança no povo", num "Brasil de todos e de todas", num num país "onde seja menos difícil amar". 


COLETIVO IPF-BRASIL

15 de outubro de 2018

Dia do professor, dia da professora


#InstitutoPauloFreire   #PauloFreireSempre