Salvador sedia, até 17 de março, o Fórum Social Mundial 2018

Com o lema “resistir é criar; resistir é transformar!”, o FSM deve reunir 60 mil pessoas de 120 países.

     o

capa fsm 2018

 

Começou, em Salvador (BA), a 13ª edição do Fórum Social Mundial (FSM 2018), que abriu oficialmente suas atividades com a realização da tradicional Marcha, reunindo milhares de pessoas, na tarde dessa terça-feira (13/03). A marcha teve concentração a partir das 15h, na Praça Dois de Julho, no bairro do Campo Grande, e seguiu até a Praça Castro Alves. A necessidade da retomada da democracia e da resistência contra os ataques aos direitos da população em todo o mundo marcaram a caminhada.

 

     O FSM 2018, que acontece até dia 17 de março, será o espaço de diálogo e convergência de cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, que estarão na capital baiana com o objetivo de debater e definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes antidemocráticos e genocidas que diversos países estão enfrentando nos últimos anos. Com o lema “Resistir é criar. Resistir é transformar!”, o Fórum visa promover a transformação do ser humano em busca de “Um outro mundo possível”.

 

     Com mais de 1500 coletivos, organizações e entidades cadastrados, e cerca de 1300 atividades autogestionadas inscritas, o FSM 2018 terá representantes de entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países Panamazônicos e representações nacionais. A maior parte das atividades do FSM acontecerão no Campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e todas as atividades inscritas no FSM são autogestionadas, ou seja, cada organização se responsabiliza por toda gestão do evento (formato, palestrantes, passagens, translado, hospedagem, etc.). Já a Organização do Fórum, garante a infraestrutura para a realização das atividades propostas e a divulgação na Programação do site do Fórum. https://wsf2018.org/

 

 

“A Era do Capital Improdutivo” é tema de mesa de diálogo e conferência no FSM 2018

o

marcha fsm

 

     O Instituto Paulo Freire e a CEMIG, em parceria com CUT, CTB, PUC-SP, IDEC, Contraf-CUT, Fundação Perseu Abramo, Outras Palavras e Autonomia Literária promovem uma Mesa de Diálogo e de uma Conferência – no contexto do Fórum Social Mundial 2018, tendo como ponto de partida o livro A Era do Capital Improdutivo, do economista Ladislau Dowbor, que apresenta as mais recentes pesquisas internacionais e brasileiras, explicita as transformações da acumulação do capital e sistematiza um conjunto de propostas. O resultado esperado é uma melhor compreensão dos desafios e das alternativas nessa área em geral pouco compreendida, mas que desempenha um papel central.

 

     No dia 14/03/2018, às 13h, será realizada a Mesa de Diálogo “A Era do Capital Improdutivo”, com Ladislau Dowbor e convidados. A ocasião será um momento para o aprofundamento teórico sobre a temática, seguida de uma coletiva de imprensa.

 

     A Conferência, que contará com representantes de instituições e de renomes nacionais e internacionais, acontecerá no dia 15/03/2018, às 9h. O objetivo é o de ampliar o acesso a dados, informações e reflexões sobre a financeirização mundial das economias, contribuir para a identificação de possibilidades de resistências, de propostas de resgate da economia produtiva e de criação de mecanismos de controle nacional e internacional sobre as políticas econômicas.